Target (TGTB34) supera expectativas de Wall Street

ANÚNCIO

Mesmo com o aumento da pandemia Covid-19 abalando a maneira como os americanos trabalham, compram e vivem, as vendas da Target (TGT) continuam a subir.

Em 18 de novembro, a companhia varejista anunciou seus resultados financeiros do terceiro trimestre que frustraram as estimativas negativas de Wall Street. 

ANÚNCIO

A Target (TGT) e outros grandes varejistas como Walmart (WMT), Best Buy (BBY) e Home Depot (HD) estão registrando fortes ganhos, enquanto o varejo tradicional sofre perdas, fechamentos de lojas e falências, enquanto o coronavírus e o desemprego abalam o país – e o mundo.

Target (TGTB34) supera expectativas de Wall Street
Fonte: (Reprodução/Internet)

Veja mais: Amazon (AMZO34) expande no Brasil à medida que Covid-19 impulsiona e-commerce

Target (TGT) obtém ganhos após manobra arriscada

Algumas estatísticas importantes: 

ANÚNCIO
  • As vendas comparáveis ​​aumentaram 20%; 
  • A receita total aumentou em US$ 22,6 bilhões – um aumento de mais de 21% em relação ao mesmo período do ano passado; 
  • As vendas digitais aumentaram 155%; 
  • Os novos serviços digitais, como retirada na loja e na calçada, e compras pessoais via Shipt, cresceram 200%; 
  • As cerca de 1.900 lojas da companhia geraram mais de 95% das vendas; 
  • A Target (TGT) conquistou US$ 6 bilhões em participação de mercado dos concorrentes em 2020; 
  • As ações subiram quase 50% no ano passado.

Como a Target (TGT) fez isso? Investindo pesado em suas lojas e seus funcionários. Embora ninguém previsse a chegada da Covid-19, em 2017, o CEO da empresa, Brian Cornell, fez uma grande aposta contraditória para competir contra a Amazon (AMZN), dobrando as localizações físicas da Target. 

O anúncio fez com que as ações despencassem 12% em um único dia. Mas a estratégia valeu a pena antes da Covid-19, e acabou sendo uma excelente receita para se destacar na pandemia da América.

Graças a bilhões em atualizações tecnológicas, Cornell e seus colegas transformaram milhares de lojas enormes, há muito vistas como passivos caros e que envelhecem rapidamente, em centros de distribuição hiperlocais que agora estão alimentando as compras pessoais e digitais.

ANÚNCIO

Lojas físicas facilitam acesso do consumidor ao produto

“Há alguns anos, todo mundo dizia que as lojas eram obsoletas. Escolhemos o outro caminho, não porque fosse nossa opinião, era o que os consumidores estavam nos dizendo”, disse Cornell à Forbes em outubro. 

“Mesmo durante a pandemia, cerca de 85% de todos os gastos do varejo aconteciam nas lojas. E agora, tenho 1.900 centros de atendimento em todo o país. Essa velocidade é essencial.” completou ele.

Mais velocidade requer mais habilidade. Os empregos no varejo, tradicionalmente com alto nível de estresse e baixos salários, agora são mais desafiadores com este novo híbrido de compras físicas e digitais. 

Como resultado, após décadas de negligência, os trabalhadores estão começando a se beneficiar. As empresas estão gastando bilhões para treinar funcionários nos novos sistemas e estão aumentando salários e benefícios para mantê-los e motivá-los.

Bem-estar ao trabalhador aumenta a performance

Redes nacionais como Target (TGT) e Walmart (WMT) estão aumentando o salário mínimo para milhares de trabalhadores para US$ 15 por hora e aumentando os benefícios. 

À medida que os trabalhadores do varejo se tornam essenciais para fornecer alimentos, remédios e suprimentos às pessoas durante a pandemia, as empresas estão aumentando as licenças por doença, creches e educação. Eles também estão investindo em diversidade e inclusão e prometendo milhões para apoiar comunidades carentes.

Mesmo antes do coronavírus sacudir o mundo, os principais CEOs da América estavam mudando sua missão de servir aos acionistas para todos os interessados: funcionários, clientes, comunidades, meio ambiente e investidores. 

Leia também: XRP dispara 21% em dia de alta para as criptomoedas

Traduzido e adaptado por equipe Folha Capital.

Fonte: Forbes.

ANÚNCIO