Preços do petróleo sobem na expectativa da demanda sobreviver a uma segunda onda da Covid-19

ANÚNCIO

Nesta terça-feira (22), os preços do petróleo subiram após analistas considerarem que a demanda pela commoditie terá um impacto limitado caso ocorra um novo lockdown.

A estimativa veio após os números de novos casos de contaminação da Covid-19 dispararem nos principais mercados do mundo. A Alemanha descreveu a situação como preocupante.

ANÚNCIO

A Espanha pediu ajuda ao exército e a Itália aumentou a quantidade de testes obrigatórios. Em meio às tensões, a avaliação sobre a demanda por petróleo impulsionou os preços revertendo parcialmente a queda reportada no dia anterior.

Preços do petróleo sobem na expectativa da demanda sobreviver a uma segunda onda da Covid-19
Fonte: (Reprodução/Internet)

Preços do petróleo Brent e WTI somam alta de quase 3%

Os analistas do mercado de commodities trataram de acalmar os investidores que seguem de olho na segunda onda do coronavírus especialmente nos países da Europa. O público também teme a adoção de novas medidas de isolamento social.

Segundo o analista de petróleo do UBS, Giovanni Staunovo, caso tenha novamente um lockdown ele acontecerá em regiões específicas. Logo, não irá afetar em grandes proporções a recuperação da procura por combustíveis.

ANÚNCIO

Após a perspectiva, os contratos Brent e WTI juntos somaram alta de 2,9%.

  • Petróleo Brent: subiu 1,3%, para US$ 41,98 por barril;
  • Petróleo West Texas Intermediate (WTI) futuro (outubro): alta de 1,6%, para US$ 39,94.
  • O contrato de novembro mais ativo subiu 1,1%, para US$ 39,99.

Apesar da expectativa sobre um impacto reduzido na demanda por petróleo, o especialista ressaltou que o ritmo de retomada será mais lento.

Recuperação da demanda é instável

Ainda, com o aumento da oferta e a redução recorrente dos preços da commoditie os analistas preveem que a recuperação da demanda por petróleo seja ainda mais instável.

ANÚNCIO

O caminho para uma nova normalidade no mercado de petróleo tornou-se mais instável, mas ainda vemos a demanda superando a oferta na margem e o excedente desaparecendo lentamente”, declarou Norbert Rücker, analista do banco suíço Julius Baer.

Os investidores previam que a baixa oferta continuasse e que os preços do petróleo fossem impulsionados. Porém, com o relaxamento do bloqueio da commoditie na Líbia, a oferta aumentou cooperando para a queda de 5% registrada na segunda-feira.

ANÚNCIO