Mercados globais reagem positivamente à posse de Biden

ANÚNCIO

As ações mundiais subiram na quarta-feira (20) devido às expectativas de altos gastos dos EUA, depois que a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, pediu aos legisladores que “ajam grande” para salvar a economia e se preocupar com dívidas mais tarde. 

Em sua audiência de confirmação na terça-feira (19), Yellen disse que os benefícios de um grande pacote de estímulo para conter a pandemia do coronavírus eram maiores do que as despesas de uma dívida maior. 

ANÚNCIO

O alívio da pandemia teria prioridade sobre os aumentos de impostos, disse ela, pedindo que as corporações e os ricos, ambos vencedores dos cortes de impostos republicanos em 2017, paguem sua parte justa.

Mercados globais reagem positivamente à posse de Biden
Presidente eleito dos EUA, Joe Biden. Fonte: (Reprodução/Internet)

Veja mais: Goldman Sachs (GS) dobra lucros no trimestre

Índices apresentaram leve alta globalmente

A Europa se recuperou, com o Euro STOXX 600 (STOXX) subindo 0,4%. Os índices em Frankfurt e Paris subiram de forma semelhante, embora as ações de Londres estivessem estáveis.

ANÚNCIO

As ações de luxo deram o maior impulso, com as vendas trimestrais da Richemont (CFR) subindo 5%, lideradas pelo forte crescimento de suas marcas de joias na Ásia e no Oriente Médio.

O clima otimista refletiu o da Ásia, onde o índice da MSCI para a Ásia-Pacífico fora do Japão subiu 0,8% para seu maior índice. O Hang Seng (HSI) de Hong Kong ganhou 1% perto do pico de 2019. As ações australianas atingiram um recorde.

O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, que assumirá o cargo no dia de hoje (20), apresentou na semana passada uma proposta de pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão para impulsionar a economia e acelerar a distribuição de vacinas.

ANÚNCIO

Nasdaq (IXIC) e S&P 500 (SPX) também tiveram ganhos

Joe Biden assumirá o cargo na quarta-feira sob medidas de segurança sem precedentes após o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio. O índice de ações mundial MSCI, que acompanha ações em quase 50 países, teve alta de 0,1%.

“Eles perceberam que há alguns limites para o que a política monetária pode fazer para efetuar mudanças na economia real. O Fed continuará comprando títulos emitidos pelo Tesouro dos Estados Unidos para financiar os programas fiscais”, disse Shaniel Ramjee, gerente de investimentos da Pictet Asset.

Em Wall Street, os futuros da Nasdaq (IXIC) ganharam 0,6%, enquanto a Netflix (NFLX) saltou 12% após o fechamento devido ao forte crescimento de assinantes e às projeções de que não precisará mais aumentar a dívida. Os futuros do S&P 500 (SPX) também subiram 0,2%.

Dólar em queda, Euro mais forte

O Dólar caiu de uma alta de um mês após os comentários de Yellen. Em relação a uma cesta de moedas, caiu 0,1% para 90,285, tendo subido 1,2% a partir de um nadir de três anos atingido há duas semanas.

O Euro ficou em US$ 1,2145, alta de 0,1% em relação à baixa de um mês e meio na segunda-feira (17). Ele obteve o apoio de uma pesquisa de opinião dos investidores que superou as previsões e a sobrevivência do governo italiano em um voto de confiança.

Leia também: Bank of America (BOAC34) divulga queda nos lucros

Traduzido e adaptado por equipe Folha Capital.

Fontes: Reuters e Investing.

ANÚNCIO