Mercado mostra recuperação após decisão da Câmara dos Deputados

ANÚNCIO

Na quinta-feira (21), o mercado financeiro mostrou sinais de recuperação no encerramento do pregão com Câmara dos Deputados caminhando para a manutenção do veto do presidente Jair Bolsonaro sobre reajuste dos servidores. 

Com reforço ao governo, Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, afirmou em coletiva de imprensa, que a equipe estava trabalhando para manter a decisão de Bolsonaro por questões de equilíbrio fiscal e mencionou não ter nada contra os funcionários públicos.

ANÚNCIO

No começo do dia, o Ibovespa (IBOV) chegou a operar abaixo dos 100 mil pontos, os contratos futuros dispararam e o Dólar foi cotado a nível próximo aos R$6. 

Mercado mostra recuperação após decisão da Câmara dos Deputados
Fonte: (Reprodução/Internet)

Confira o desempenho do Ibovespa (IBOV) durante agenda cheia do poder público. 

Pronunciamento de Maia impulsiona Ibovespa (IBOV)

Segundo especialistas do mercado financeiro, o pronunciamento de Rodrigo Maia impulsionou a recuperação do Ibovespa (IBOV). Isto porque como presidente da Câmara sua fala deu indícios sobre a manutenção do veto presidencial, levado os investidores ao otimismo. 

ANÚNCIO

Nós entendemos que esse veto… é muito importante a sua manutenção, para que a gente possa dar uma sinalização clara que nós queremos, claro, atender a estados, atender a municípios, atender à sociedade, mas tudo dentro do equilíbrio fiscal“, declarou.

  • Após a fala de Maia, o Ibovespa (IBOV) subiu 0,61% com 101.467 pontos;
  • Volume financeiro negociado: 28,35 bilhões de reais;
  • Dólar comercial: recuou, mas fechou em valorização de 0,43%, a R$5,5526 (compra) e R$5,554 (venda);
  • Dólar futuro no after-market (setembro): baixa de 0,29%, a R$5,544.

A cotação da moeda americana chegou próxima aos níveis registrados em maio, mês que marcou as maiores volatilidades no câmbio. 

Câmara dos Deputados mantém veto presidencial 

Após o Senado Federal derrubar veto de Bolsonaro sobre reajuste salarial dos servidores públicos, foi a vez da Câmara dos Deputados deliberar sobre a questão. 

ANÚNCIO

Os parlamentares decidiram pela manutenção do veto presidencial com 316 votos a favor e 165 votos contra. Com a decisão, o aumento salarial fica proibido até o final de 2021 para todos os funcionários públicos do país, sejam eles estudais, municipais ou federais.

ANÚNCIO