Londres irá revisar regras para listagem de ações

ANÚNCIO

O ministério das finanças da Grã-Bretanha disse na quinta-feira que um ex-comissário de serviços financeiros da União Européia revisará as regras de listagem para tornar Londres mais atraente para as empresas de tecnologia, disparando alertas aos acionistas sobre uma nova perspectiva financeira.

Jonathan Hill analisará os free floats e as estruturas de ações de duas classes, disse o ministério das finanças, enquanto a Grã-Bretanha revisa suas regras para garantir que Londres possa competir com Nova York e a Ásia, já que perde acesso irrestrito à UE, seu maior cliente.

ANÚNCIO

Os grupos de acionistas se opõem às ações de classe dupla, dizendo que “uma ação, um voto” garante melhores padrões de governança corporativa e protege os acionistas minoritários.

Londres irá revisar regras para listagem de ações
Fonte: (Reprodução/Internet)

Veja mais: BC da Europa acelera desenvolvimento de moeda digital

Revisão nas regras de listagem devem impulsionar bolsa

As empresas listadas na Bolsa de Valores de Londres devem ter atualmente um mínimo de 25% de suas ações disponíveis para negociação, mas alguns empreendedores de tecnologia desejam manter o controle de suas empresas e impedir aquisições hostis por terem um free float (medida do percentual de ações circulando livremente no mercado) menor.

ANÚNCIO

O ministro das finanças da Grã-Bretanha, Rishi Sunak, defende que mercados de ações mais dinâmicos aumentarão a posição do Reino Unido como centro financeiro líder mundial e impulsionarão o crescimento e a inovação em toda a economia

Os acionistas do Reino Unido, que representam investidores de varejo, disseram que as ações de classe dupla podem abrir a porta para investimentos mais arriscados que os acionistas podem não entender.

As estruturas de ações de classe dupla, comuns nos Estados Unidos, mas restritas às principais empresas cotadas no Reino Unido, permitem a algumas ações mais direitos de voto do que outras.

ANÚNCIO

Novas empresas devem aumentar competição

A Investment Association, que representa os gestores de ativos, disse que mais poderia ser feito para encorajar as pequenas empresas a se listar. Existem 1.100 empresas listadas na Bolsa de Valores de Londres, com uma capitalização de mercado de 3 trilhões de libras, tornando-a um dos mercados de capitais mais profundos do mundo.

A competição de cotações é intensa, conforme destacado por Londres e Nova York lutando entre si quando a petrolífera saudita Aramco (2222) estava considerando um float no exterior.

Diante dessa competição, a Bolsa de Valores de Londres, o governo e funcionários de bancos lançaram uma ofensiva para persuadir a entregadora de alimentos online britânica Deliveroo a listar em sua bolsa.

Regras atuais podem afastar empresas de abrir o capital

Gavin Rochussen, presidente-executivo da gestora de ativos Polar Capital (POLR), declarou que tem havido uma grande tendência de empresas optando por levantar capital de forma privada, em vez de por meio de uma listagem pública.

Essa tendência tem a ver com a complexidade das regras de listagem, as regras de divulgação e assim por diante. Então é necessário ser resolvida essa questão, disse Rochussen.

Jonathan Hill também analisará os requisitos para que as empresas elaborem um prospecto para investidores, revisará as regras existentes para listagens secundárias e as regras que exigem que as empresas forneçam um histórico de seu desempenho financeiro.

Leia também: Bolsas mundiais e petróleo caem em alerta ao coronavírus

Traduzido e adaptado por equipe Folha Capital.

Fonte: Reuters.

ANÚNCIO