Goldman Sachs (GS) dobra lucros no trimestre

ANÚNCIO

O Goldman Sachs Group (GS)  ofuscou as estimativas de Wall Street à medida que seu lucro no quarto trimestre mais que dobrou, impulsionado por outro desempenho estourado em seu negócio de trading e um aumento nas taxas de subscrição de uma série de IPOs de sucesso.

A receita dos mercados globais, que abriga o negócio de trading do banco, registrou seu melhor desempenho anual em uma década, à medida que os investidores mudavam suas carteiras no final de um ano de montanha-russa para os mercados financeiros em meio à pandemia.

ANÚNCIO

O Trading, o principal motor de geração de receita do Goldman (GS), cresceu 43% ao ano. Em uma base trimestral, a receita da unidade saltou 23%, para US$ 4,27 bilhões.

Goldman Sachs (GS) dobra lucros no trimestre
Fonte: (Reprodução/Internet)

Veja mais: JPMorgan (JPM) expõe resultados trimestrais positivos

Receita do Goldman Sachs (GS) aumentou 27%

A receita do banco de investimento aumentou 27% para US$ 2,61 bilhões durante o trimestre, impulsionada principalmente pela subscrição de ações, que aumentou 195% em relação ao mesmo período do ano passado.

ANÚNCIO

As receitas de trading de ações e de banco de investimento superaram as previsões, disse o analista da Oppenheimer, Chris Kotowski. Foi um trimestre excepcionalmente forte, completou Kotowski.

As ações do banco subiram 2,6% no início do pregão, adicionando um ganho de 20% no ano passado. As ações do Goldman (GS) atingiram um recorde de US$ 307,87 na semana passada, dando-lhe uma capitalização de mercado de mais de US$ 100 bilhões.

A receita total aumentou 18%, para US$ 11,74 bilhões. O lucro líquido do banco aplicável aos acionistas ordinários aumentou para US$ 4,36 bilhões, ou US$ 12,08 por ação, no trimestre encerrado em 31 de dezembro. Os analistas esperavam um lucro de US$ 7,47 por ação em média.

ANÚNCIO

Gestão de ativos aumentou 7%

O desempenho mais recente do Goldman (GS) foi ainda mais impressionante, pois absorveu confortavelmente um golpe de US$ 3 bilhões em seus lucros anuais, após chegar a um acordo com reguladores dos EUA e do exterior sobre seu papel no escândalo de corrupção do 1MDB na Malásia.

A receita em todos os quatro negócios aumentou no último trimestre. Os negócios de gestão de ativos do Goldman (GS) também se beneficiaram de maiores empréstimos e investimentos em dívidas, aumentando 7% para US$ 3,21 bilhões.

Ao contrário de seus pares maiores, JPMorgan (JPM) e Bank of America (BAC), o Goldman (GS) tem um negócio de consumo relativamente pequeno, que limitou sua exposição a inadimplências de empréstimos em meio à pandemia e permitiu que se concentrasse em sua força central de fechar negócios.

Mesmo assim, o CEO David Solomon está dobrando para cima de Marcus, seu banco de consumidores, tornando-se a pedra angular de sua estratégia mais ampla para fazer o Goldman (GS) parecer mais um típico credor da Main Street.

Serviços bancários aumentaram 52%

A receita de serviços bancários ao consumidor aumentou 52% no trimestre, para US$ 347 milhões, e saltou 40%, para US$ 1,21 bilhão, anualmente. O Goldman (GS) reafirmou na terça-feira (19) a meta de aumentar os depósitos dos consumidores para mais de US$ 125 bilhões em cinco anos.

Desde que assumiu as rédeas de Lloyd Blankfein em 2018, Solomon enfatizou que deseja reduzir a dependência do banco de operações bancárias de comércio e investimento, e quer desenvolver negócios mais previsíveis, como bancos de consumo e gestão de patrimônio de massa.

O Goldman Sachs (GS) reiterou as metas de três anos que definiu para lucratividade e economia de despesas em janeiro passado, enquanto se mantinha no caminho certo com suas iniciativas de corte de custos e devoluções de longo prazo.

O retorno sobre o patrimônio líquido do banco foi de 21,1% durante o trimestre. A provisão para perdas de crédito para o ano todo saltou para US$ 3,1 bilhões, em comparação com US$ 1,07 bilhão no ano passado, quando o banco fez reservas adicionais devido ao impacto da pandemia.

Leia também: Wells Fargo (WFCO34) divulga lucro de US$ 2,99 bilhões

Traduzido e adaptado por equipe Folha Capital.

Fontes: Reuters e CNN.

ANÚNCIO