EUA compram o primeiro lote de vacinas Pfizer (PFIZ34) da Covid-19

ANÚNCIO

Em seu último relatório, a Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que existem 166 vacinas contra o coronavírus sendo desenvolvidas por vários laboratórios ao redor do mundo, e em torno de 24 delas estão em fase de estudo clínico.

A farmacêutica estadunidense Pfizer (BVMF) e a empresa alemã BioNTech (BNTX) são uma das instituições que se destacaram nessas pesquisas, pois especialistas consideram sua proposta de imunização foi considerada eficaz e segura nas etapas iniciais.

ANÚNCIO

Na quarta-feira, 22, os Estados Unidos saiu à frente dos demais países e garantiu o primeiro lote de todas as vacinas contra a Covid-19 produzidas pelas companhias. O governo americano tem a expectativa de distribuí-las à população ainda em 2020.

EUA compram o primeiro lote de vacinas Pfizer da Covid-19
Fonte: (Reprodução/Internet)

Confira dados sobre a negociação de Trump com as empresas desenvolvedoras das vacinas contra o coronavírus.

EUA compra toda a produção de vacinas

O governo dos EUA fechou acordo para comprar 100 milhões de doses da vacina contra o novo vírus desenvolvida pelas empresas Pfizer (BVMF) e BioNtech (BNTX). O valor desembolsado para adquirir esta imunização será de 1,95 bilhão de dólares.

ANÚNCIO

A quantidade de doses adquiridas pelo governo americano corresponde a toda a produção prevista pelas instituições para este ano. As companhias visam fabricar em torno de 1,3 bilhão de vacinas em 2021.

A negociação ainda garante a possibilidade dos Estados Unidos adquirirem mais 500 milhões de doses extras, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos norte-americano.

EUA compram o primeiro lote de vacinas Pfizer da Covid-19
Fonte: (Reprodução/Internet)

Como o governo americano solicitou todas as doses que serão produzidas para 2020,  esntende-se como esgotado o potencial de fabricação da Pfizer (BVMF) e BioNtech (BNTX). A fase de testes em humanos irá acontecer em breve, afirmou o departamento.

ANÚNCIO

Pronunciamento da OMS

Os EUA de Trump saiu à frente na corrida pela imunização ao coronavírus. Apesar, das empresas desenvolvedoras das vacinas terem garantido a fabricação de 100 milhões para este ano, a OMS tratou de acalmar os ânimos dos norte-americanos.

Michael Ryan, diretor-executivo da organização afirmou estar otimista diante do êxito da Pfizer (BVMF) e BioNtech (BNTX) no prosseguimento das pesquisas. No entanto, declarou que visando a segurança e eficácia das doses, é necessário aguardar até o começo de 2021 para iniciar a distribuição à população.

A preocupação está no quão eficiente se mostrará a vacina e qual será a durabilidade da imunização. Até o momento, a liberação das doses para daqui dois ou três meses foi descartada pelo diretor da OMS, de acordo com o portal Uol.

ANÚNCIO