China suspende parte das compras dos EUA

ANÚNCIO

A rixa entre a China e os Estados Unidos não é de hoje. As duas maiores potências mundiais parecem não estar se entendendo há um bom tempo. Inclusive, farpas vem sendo trocadas recentemente entre os líderes dos respectivos países.

O mau relacionamento entre nações que detém o maior poder econômico é perigoso quando falamos em âmbito global. Na briga dos grandes, outros países são simples piões. O Brasil, apesar de não estar diretamente neste confronto, também teve participações polêmicas.

ANÚNCIO

Com o advento da pandemia, o embate ficou acalorado principalmente pelo fato do vírus que se espalhou pelo mundo ter tido origem em uma cidade chinesa. O que culminou em diversos comentários xenofóbicos de líderes de governo e população de outros países.

China
Foto: Reprodução/internet

Com a soma de todos os fatores que prejudicam o relacionamento entre as duas potências, a China suspende parte das compras dos EUA. Entenda como isso aconteceu e saiba mais sobre os desentendimentos entre os dois governos.

China X Estados Unidos

O governo chinês e o norte-americano vem contracenando uma guerra comercial há algum tempo. O  episódio mais recente deste evento acontecem em 2019, quando o dólar bateu 7 vezes o valor da moeda chinesa, Yuan.

ANÚNCIO

A consequência disso foi a brusca desvalorização em comparação à moeda americana. O resultado apareceu nos preços dos produtos chineses. Eles ficaram com preço significativamente menor.

O impacto disso em um país é que quando o valor de seus produtos nacionais operam em queda, eles se tornam competidores diretos com outras mercadorias do exterior. Este acontecimento foi apontado pelo presidente Trump como “práticas comerciais injustas”.

A informação citada está em conformidade com o  noticiado pelo   Valor Globo, onde também noticiou que o posicionamento dado pelo líder americano foi feito no Twitter. Como era de se esperar,  o comentário reverberou mundialmente.

ANÚNCIO

Tarifas sobre importação

A briga entre China e EUA reside no aumento de tarifas sobre os produtos importados. Os Estados Unidos é um dos países que mais possui uma quantidade gigantesca de mercadorias chinesas.

O intuito de Donald Trump esses produtos mais caros, para que ocorresse a valorização de itens norte-americanos. As medidas de acréscimo nas tarifas foram aplicadas em eletrodomésticos, alumínio, aço e outros.

China suspende parte das compras dos EUA
Foto: Reprodução/internet

Como contra ataque, o presidente Xi Jinping aumentou as tarifas até 25% em mercadorias como alimentos, e aparelhos médicos. Entre idas e vindas em um suposto acordo entre as duas nações, ainda não foi declarada a trégua definitiva.

Pelo contrário, com a pandemia, o conflito entre China e Estados Unidos parece que não vai ter fim tão cedo. Sinal disso foi a determinação de Trump para que incidem taxas sobre todos as importações chinesas.

Impactos econômicos no Brasil

Com a jogada chinesa em desvalorizar sua moeda, as bolsas de todo mundo sentiram o impacto. No Brasil, o registro chegou a marcar uma queda de 2,51%. Isso ocorreu pois tanto a China como os EUA são grandes parceiros mercantis do nosso país.

Apesar do atual presidente Bolsonaro simpatizar com a forma de governo americano, o seu maior aliado em questões de comércio ainda é a China. O maior produtor brasileiro que pode ser alvo de grandes negociações é a soja.

Já que devido a guerra comercial com a América, os chineses precisam buscar por novos fornecedores do produto. No entanto, para alguns profissionais a compra demasiada de soja pode acarretar prejuízos ao Brasil se pensar em um período prolongado.

Pode-se entender que esses conflitos comerciais desequilibram o mercado como um todo. E no final das contas, não há como ter boas consequências futuras frutos dessas competições, pelo menos, não para nós.

Suspensão na compra de produtos americanos

No começo do mês de junho, foi noticiado que companhias chinesas que trabalham com serviços da agricultura irão suspender a importação de mercadorias americanas.  Dentro desta medida, encontram-se a cessação na compra de soja.

A comercialização deste produto foi mencionado no tópico anterior. Lembrando que o segundo maior produtor de soja é o Brasil. E foi a ele que os chineses recorreram para importar este produto. O cancelamento não parou por aí.

China suspende parte das compras dos EUA
Foto: Reprodução/internet

As carnes suínas produzidas pelos Estados Unidos também não serão mais pedidas pela China. Essas medidas são reflexos claros da continuação do embate comercial entre as duas nações. O InfoMoney relatou que no início deste ano, os líderes dos dois países ensaiaram um acordo.

Na reunião foi abordado os valores de importações do ramo agricultor. Os quais foram aceitos pelo país asiático. Porém, com a disseminação do vírus a trégua foi interrompida. E aparentemente, com os resultados atuais, não há previsão de apaziguamento.

Para apimentar ainda mais os desentendimentos, o presidente Trump atribui a culpa do atual cenário pandêmico à China. Inclusive, contou com o apoio do filho do presidente Bolsonaro. O líder do governo brasileiro teve que intervir para amenizar a repercussão dessa polêmica.

A disputa comercial parece estar longe de acabar.  E tudo que os países menos precisam agora é de uma  guerra cambial. O ambiente não está favorável para instabilidades maiores no mercado. Torcemos para que os próximos episódios sejam com uma trégua definitiva.

ANÚNCIO