Banco Central Europeu libera US$ 600 bilhões em estímulos

ANÚNCIO

O Banco Central Europeu está expandindo seu enorme programa de impressão de dinheiro em centenas de bilhões de euros, em uma tentativa de impulsionar a economia enquanto outra onda de coronavírus atinge a região e ameaça prejudicar sua frágil recuperação.

O banco central disse em um comunicado na quinta-feira (10) que aumentaria suas compras de ativos em € 500 bilhões (US$ 605 bilhões), elevando o programa de estímulo total para € 1,85 trilhão (US$ 2,24 trilhões)

ANÚNCIO

Ele também planeja estender as compras pelo menos até o final de março de 2022 e conceder mais empréstimos subsidiados aos bancos para estimular os empréstimos.

Banco Central Europeu libera US$ 600 bilhões em estímulos
Fonte: (Reprodução/Internet)

Veja mais: Startups de tecnologia europeias devem arrecadar US$ 41 bilhões

Esta é a segunda vez que o BCE aumenta seu programa de estímulos econômicos

O BCE afirmou que a incerteza continua elevada em relação ao desenvolvimento da pandemia e ao momento da distribuição das vacinas, pelo que está pronto para ajustar os seus instrumentos para garantir que a inflação, que está atualmente em território negativo, avance para o seu objetivo de 2%.

ANÚNCIO

As medidas de política monetária tomadas hoje contribuirão para preservar as condições de financiamento favoráveis ​​durante o período da pandemia, apoiando assim o fluxo de crédito a todos os setores da economia, sustentando a atividade econômica e salvaguardando a estabilidade de preços a médio prazo”, refere o comunicado divulgado nesta quinta-feira.

Para Andrew Kenningham, economista-chefe da Capital Economics, embora as principais mudanças de política anunciadas hoje tenham sido amplamente esperadas, elas enfatizam o compromisso do BCE de usar seu balanço patrimonial muito além do fim da emergência de saúde, a fim de manter os rendimentos dos títulos excepcionalmente baixos.

Esta é a segunda vez que o BCE expande seu Programa de Compra de Emergência Pandêmica (PEPP, na sigla em inglês), lançado na primavera, quando o coronavírus se espalhou pela Europa e os governos impuseram restrições severas à atividade econômica. Em junho, aumentou o tamanho do programa em € 600 bilhões (US$ 726 bilhões).

ANÚNCIO

Europa espera um quarto trimestre inferior ao terceiro

Apesar de uma recuperação recorde no terceiro trimestre, a economia da UE permaneceu 4,2% menor do que seu nível de setembro de 2019, de acordo com a agência de estatísticas Eurostat. A Europa está agora lutando contra outro surto de casos de coronavírus, levando a novos bloqueios em grandes economias, como Alemanha, França e Itália. O PIB deve se contrair novamente no quarto trimestre.

A decisão do banco central ocorre em um momento em que uma disputa entre os países membros da UE ameaça atrasar a liberação de € 800 bilhões (US$ 969 bilhões) em fundos destinados a acelerar a recuperação da região da pandemia. Os líderes da UE reunidos esta semana em Bruxelas estão tentando negociar um acordo que encerraria o impasse iniciado pela Polônia e Hungria sobre as tentativas de vincular os pagamentos ao respeito pelo Estado de Direito.

Um atraso nos pagamentos a economias gravemente prejudicadas, incluindo Espanha, Itália e Grécia, atrasaria suas recuperações e reduziria os benefícios que devem surgir com o lançamento generalizado de vacinas,  disse Bert Colijn, economista sênior da zona do euro no ING, esta semana.

O Fundo Monetário Internacional espera que a economia da Europa encolha 7% em 2020, um declínio mais acentuado do que os Estados Unidos, mas menos severo do que o Reino Unido.

Leia também: Rendimentos do Tesouro dos EUA caem conforme pacote de estímulo é discutido

Traduzido e adaptado por equipe Folha Capital.

Fonte: CNN.

ANÚNCIO