Bahrain pretende levantar US$ 2 bilhões em títulos do Tesouro

ANÚNCIO

O Bahrein deve levantar US$ 2 bilhões em uma venda de títulos de três parcelas na quarta-feira (20), depois que a pandemia do coronavírus e os baixos preços do petróleo exacerbaram seu déficit fiscal e elevaram a dívida total pendente para quase US$ 40 bilhões.

A venda da dívida ocorre em meio à incerteza sobre a futura ajuda fiscal para o pequeno estado produtor de petróleo, já que os vizinhos mais ricos do Golfo, que anteriormente vieram em auxílio do Bahrein, têm seus próprios problemas financeiros para lidar.

ANÚNCIO

O Bahrein deu orientação de preço inicial de cerca de 4,875% para uma tranche de bônus de sete anos, cerca de 5,75% para notas de 12 anos e cerca de 6,75% para bônus de 30 anos, de acordo com o documento de um dos bancos que organizaram o negócio.

Bahrain pretende levantar US$ 2 bilhões em títulos do Tesouro
Dinar, moeda oficial do Bahrein. Fonte: (Reprodução/Internet)

Veja mais: OPEP+ analisa corte de 500 mil barris de petróleo

Déficit fiscal do Bahrein subiu para 14%

Estima-se que o déficit fiscal do Bahrein mais que dobrou para US$ 4,4 bilhões no ano passado, em comparação com um orçamento de US$ 2,1 bilhões, de acordo com um prospecto de títulos revisado pela Reuters, que citou números preliminares estimados.

ANÚNCIO

Isso elevou seu déficit fiscal de 2020 para 14% do produto interno bruto do país árabe, em comparação com os 7% orçados e um déficit de 5% do PIB em 2019. Seu PIB deve encolher 5,4% em 2020, de acordo com as estimativas do governo. Em outubro, o FMI previu que o PIB real do Bahrein cairia 4,9%.

Em 2018, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Kuwait prometeram um pacote de ajuda de US$ 10 bilhões ao longo de cinco anos ao Bahrein. Estima-se que essa ajuda cubra cerca de metade das necessidades totais de financiamento do Bahrein até 2022, afirma o prospecto.

Bahrein não possui garantias do apoio

“No entanto, não pode haver garantia de que os pagamentos futuros estarão disponíveis, em tempo hábil ou de todo e tais pagamentos podem estar sujeitos a atrasos ou condições além do controle do Bahrein”, disse o prospecto.

ANÚNCIO

A Arábia Saudita e outros países do GCC também foram significativamente impactados negativamente pela pandemia da Covid-19 e pelos baixos preços do petróleo, e tais fatores podem reduzir a probabilidade de suporte adicional e o prazo de qualquer pagamento.

Dívida total do país atinge 118% do PIB

O déficit orçamentário deve ser de US$ 3,4 bilhões em 2021 e US$ 3 bilhões em 2022, disse o prospecto, citando o projeto de orçamento 2021/2022 que está sujeito a debate parlamentar e aprovação.

A dívida total em aberto de Bahrein era de US$ 39,8 bilhões no final de 2020, atingindo 118% do PIB. Ele era de US$ 36,1 bilhões um ano antes, ou pelo menos 93,8% do PIB. O suporte do Golfo não é garantido. O Bahrein já recebeu mais de US$ 6 bilhões desse pacote de juros zero.

Mas o mercado espera que isso aconteça quando e conforme necessário, declarou Abdul Kadir Hussain, chefe de gestão de ativos de renda fixa da Arqaam Capital. O Bahrein espera receber mais US$ 1,85 bilhão do pacote de ajuda este ano

“Nossa estimativa é que eles vão precisar de US$ 3-4 bilhões este ano, com cerca de US$ 2 bilhões dessa emissão e provavelmente US$ 1 bilhão de sukuk, então eles podem não precisar de muito mais no mercado convencional este ano”, disse Kadir Hussain.

Leia também: Mercados globais reagem positivamente à posse de Biden

Traduzido e adaptado por equipe Folha Capital.

Fonte: Reuters e TradeArabia.

ANÚNCIO