Ações da AstraZeneca (AZN) caem após morte de voluntário da vacina contra coronavírus no Brasil

ANÚNCIO

Nesta quarta-feira (21), as ações da AstraZeneca (AZN) sofreram uma queda de 1,37% após a Anvisa informar que um dos voluntários da vacina veio a óbito devido complicações relacionadas ao quadro de saúde do paciente.

A farmacêutica é uma das empresas que estão em busca do desenvolvimento da vacina do coronavírus, e em parceria com a Universidade de Oxford, seguem realizando testes para colher informações sobre a eficácia do produto.

ANÚNCIO

Os estudos do projeto de imunização já estão na fase 3, mas podem acabar sofrendo interrupção depois do acontecimento.

Ações da AstraZeneca (AZN) caem após morte de voluntário da vacina contra coronavírus no Brasil
Fonte: (reprodução/internet)

Ações AstraZeneca (AZN) despencam após falecimento de participante

A AstraZeneca (AZN) viu suas ações despencarem após a morte de João Pedro Feitosa, 28 anos, recém-formado em medicina, e um dos voluntários a receber a dose da vacina contra a Covid-19. Apesar do relato, a empresa ainda não informou se o médico recebeu o placebo ou o protótipo da vacina de fato.

O porta-voz da empresa negou falar sobre o acontecimento alegando sigilo médico. Mas, assegurou que todos os eventos mais significativos são cuidadosamente analisados, além de que as avaliações médicas não levaram a qualquer preocupação sobre o estudo em andamento.

ANÚNCIO

Já um porta-voz da Universidade de Oxford, instituição que desenvolve a vacina em parceria com a AstraZeneca (AZN), informou que não teve preocupação com a segurança do ensaio clínico, mesmo após avaliarem o caso no Brasil.

Problemas com a vacina voltam a afetar papéis da farmacêutica

Ainda em setembro, a empresa viu suas ações despencarem após um dos voluntários da vacina desenvolver mielite transversa, doença inflamatória na medula espinhal.

Leia mais: Farmacêutica suspende testes de vacina contra Covid-19.

ANÚNCIO

Em razão disso, a AstraZeneca (AZN) está respondendo processos em alguns países. Segundo a Reuters, espera-se que o julgamento seja retomado ainda esta semana nos EUA após mais um caso grave nos ensaios clínicos da farmacêutica.

Traduzido e adaptado pela Equipe Folha Capital.

Fonte: Reuters.

ANÚNCIO