Ações do IRB (IRBR3) despencam mais de 16% com nova recomendação

ANÚNCIO

No pregão do Ibovespa (IBOV) desta terça-feira (6), as ações do IRB Brasil (IRBR3) despencaram mais de 16% protagonizando o pior resultado do principal índice da Bolsa de valores

O desempenho negativo da resseguradora brasileira aconteceu após o banco de investimento UBS (UBSG) atualizar o status de recomendação da empresa e rebaixar a precificação das ações. 

ANÚNCIO

No final de setembro, o IRB (IRBR3) comunicou que seu conselho de administração aprovou a emissão de debêntures simples pela empresa. A estimativa é que R$ 900 milhões sejam captados. 

Ações do IRB (IRBR3) despencam mais de 16% com nova recomendação
Fonte: (Reprodução/Internet)

Ações do IRB (IRBR3) são recomendadas para venda pelo UBS (UBSG)

O banco suíço UBS (UBSG) rebaixou a recomendação das ações do IRB (IRBR3) de compra para venda, além de reduzir o preço-alvo dos papéis de R$ 48 para R$ 4,60. 

O corte na precificação dos ativos corresponde a queda de 47% em relação ao relatório divulgado pela instituição ontem. 

ANÚNCIO

A avaliação do UBS (UBSG) aponta que a resseguradora irá demorar para voltar aos patamares de lucratividade. No segundo trimestre, a companhia registrou prejuízo de R$ 686,1 milhões

Com este resultado, os analistas do mercado estimam que a rentabilidade da empresa atinja apenas 4% em 2021. Em meio ao cenário negativo, as ações ordinárias do IRB (IRBR3) operavam em queda de 16,65%, a R$ 7,21, às 17h06.

Papéis da resseguradora tem recorde de negociação no Ibovespa (IBOV)

Apesar do ritmo de desvalorização, os papéis da resseguradora fazem parte dos ativos mais negociados do Ibovespa (IBOV) registrando volume financeiro de R$ 532,569.

ANÚNCIO

Com esta movimentação, o IRB (IRBR3) fica atrás apenas das ações preferenciais da Petrobras (PETR3; PETR4), com volume de transação de R$ 561,615 milhões.

Após a abertura do mercado, a companhia leiloou cerca de 9 mil ações, a R$ 8,36. De acordo com a Agência Bovespa, a operação ocorreu devido à oscilação dos ativos que chegaram ao limite permitido de 2%. 

ANÚNCIO