Ações da Samsung (005930) voltam a subir após prisão de CEO

ANÚNCIO

As ações da Samsung Electronics (005930) e afiliadas se recuperaram na terça-feira (19), revertendo as perdas decorrentes do fato de o vice-presidente da empresa, Jay Y. Lee, receber uma sentença de prisão de dois anos e meio na segunda-feira (18).

Analistas disseram que o impacto de curta duração sobre os preços das ações é semelhante ao que aconteceu na primeira vez que Lee foi preso em 2017, apesar do que pode ser mais reatividade a notícias e rumores devido ao aumento da participação de investidores de varejo no mercado de ações.

ANÚNCIO

Mas especialistas em governança corporativa temem que a promessa de Lee de tornar a conformidade uma prioridade máxima possa perder força, especialmente porque não faz mais parte de seu caso de leniência.

Ações da Samsung (005930) voltam a subir após prisão de CEO
CEO da Samsung, Jay Y. Lee, sendo escoltado para prisão. Fonte: (Reprodução/Internet)

Veja mais: Samsung (005930) quer substituir Huawei (002502) em leilão 5G

Jay Y Lee promete nova Samsung (005930)

Lee entrou em um centro de detenção na segunda-feira depois que a Suprema Corte de Seul o condenou à prisão por subornar um associado do ex-presidente Park Geun-hye e outras acusações. Como já cumpriu um ano de prisão, cumprirá mais 18 meses.

ANÚNCIO

Em sua declaração final ao tribunal em dezembro, Lee prometeu uma nova Samsung (005930), incluindo a garantia das atividades sindicais e não transferir os direitos de gestão para seus filhos no conglomerado controlado pela família.

Além disso, ele prometeu conformidade mais estrita e operação transparente da chamada Força-Tarefa de Apoio a Negócios, uma equipe da Samsung Electronics (005930).

Alguns executivos da Força-Tarefa foram considerados culpados por um tribunal de Seul de destruir evidências sobre as práticas contábeis de uma afiliada, que dizem ser destinadas a ajudar a aumentar o controle de Lee sobre o gigante da tecnologia.

ANÚNCIO

Comitê de conformidade irá averiguar irregularidades

Um comitê de conformidade independente, criado no ano passado depois que a Suprema Corte de Seul iniciou os procedimentos, disse que continuará se reunindo com CEOs e fazendo recomendações, apesar de ter sido rejeitado pelo tribunal na segunda-feira como ineficaz.

“Independentemente do resultado do julgamento, o comitê está determinado a continuar com suas responsabilidades fielmente”, disse um representante do comitê, acrescentando que os membros têm mandato de dois anos, que pode ser estendido.

Mas especialistas em governança corporativa expressaram ceticismo, observando que esses esforços provavelmente se esgotarão. Park Sang-in, professor da Universidade Nacional de Seul e especialista em governança corporativa, comentou sobre o caso.

“O comitê é uma organização formada às pressas para o julgamento. Havia e ainda há muitas organizações de conformidade dentro de cada afiliada, mas o problema é que nenhuma delas poderia verificar as ações da família proprietária do conglomerado”, disse Sang-in.

Ações da Samsung (005930) se recuperam 2,5%

As ações da Samsung (005930) podem mostrar mais volatilidade no curto prazo, devido a aqueles que esperam pagamentos de dividendos mais generosos pela Samsung com o objetivo de criar uma boa imagem corporativa em defesa de Lee, disse o analista Park Sung-soon.

Depois de cair na segunda e na terça-feira, as ações da Samsung (005930) e das afiliadas Samsung C&T (028260) e Samsung Life Insurance (032830) reverteram as perdas e subiram 2,5%, 0,7% e 0,5%, respectivamente, em comparação com um aumento de 2,6% no mercado mais amplo.

Em 2017-2018, durante a detenção de um ano de Lee, as ações da Samsung Electronics (005930) subiram 27% devido à forte demanda por chips de memória.

Os investidores de varejo eram compradores líquidos no valor de 177 milhões de won em ações da Samsung Electronics (005930) em 2020, comprando de investidores estrangeiros e instituições sul-coreanas, de acordo com dados do Korea Exchange (KRX).

Leia também: Lucro do Bank of America cai mais de 50% por conta da pandemia

Traduzido e adaptado por equipe Folha Capital.

Fontes: Reuters e CNBC.

ANÚNCIO